Make your own free website on Tripod.com
JSD - Núcleo Litoral do Porto
Início
Próximas actividades
Notícias
Ser militante da JSD
O que é o Núcleo Litoral do Porto da JSD?
Quem somos
Autarcas da JSD
Contacta-nos
Votações (NOVO)
Links
Ciclo de Conferências-Debate
Textos e documentos
Humor :)
Jogos
Direita vs. Esquerda

Direita vs Esquerda – Uma questão geracional?

 

O espaço político português é hoje consequência de 30 anos de democracia. Os partidos ditos de direita ou esquerda nasceram com base numa fixação ideológica perfeitamente desenquadrada e desadequada da realidade actual. Ser comunista ou fascista eram classificações frequentemente usadas no pós 25 de Abril de 1974.

 

Ainda hoje, para aqueles que acreditam que o muro não caiu, estas expressões são utilizadas com o mesmo intuito – radicalizar posições, infernizar debates, descredibilizar pensamentos, condicionar a mudança… E isto, parte tanto de “gente dita de direita” como de “gente dita de esquerda”!

 

Felizmente, Portugal está no bom caminho: o do progresso! Progredir significa evoluir com ganhos sociais, económicos, culturais e políticos. É isso que a social democracia objectiva. O povo português tem-se mantido fiel à linha de pensamento de Francisco Sá Carneiro. Na verdade, ser social democrata não é estar à direita ou à esquerda no espaço ou no pensamento político. Por isso mesmo, o PPD/PSD tem sido o partido que, nos últimos 30 anos, consegue estar mais vezes e mais tempo no poder. Isto só acontece porque os portugueses se identificam com a nossa cultura e confiam na via social democrata para atingirmos os desígnios nacionais.

 

No entanto, é chegada a hora de todos reflectirmos sobre o nosso futuro colectivo. Grandes questões são hoje discutidas e pensadas, graças ao actual reformismo do governo laranja. Questões para as quais se quer encontrar solução: a sobrevivência da segurança social, o(s) sistema(s) educativo(s), o “aparelho” fiscal, a “máquina” da justiça, o “elefante branco” da saúde e o aproveitamento dos recursos nacionais, serão desígnios nacionais dos quais irão depender os sucessos nacionais futuros.

 

É nesta lógica de focalizarmos o essencial para o nosso futuro colectivo que surge a grande questão: Interessa distinguir entre direita e esquerda para concretizarmos políticas conducentes a estes objectivos? Será este um desafio da direita ou da esquerda?

Pela lógica da evolução educativa em Portugal, dir-se-ia que o grande desafio está nas mãos daqueles que estão melhor preparados para o enfrentarem. Quer queiramos, quer não, é a nossa geração que apresenta maiores níveis de alfabetismo, formação superior e/ou especializada, o que faz de nós os responsáveis pelo futuro nacional. Caberá a cada um de nós fazer prova de que “os jovens são o futuro do amanhã” e de que Vicente Jorge Silva se equivocou quando escreveu sobre nós, há 10 anos atrás, no seu editorial de “O Público”, apelidando-nos de “geração rasca”. A lógica foi e sempre será outra: pormos muita gente à rasca…

 

A luta entre a (dita) direita e a (dita) esquerda, darão lugar a uma verdadeira luta de gerações, mentalidades, culturas, ambições, visões e paixões! É aqui que estará o verdadeiro caminho da mudança para Portugal! O aproveitamento das sinergias geradas pelas experiências vividas por diferentes gerações, é, com toda a certeza, mais útil na identificação de soluções colectivas, quando comparado com as que provêm da multidão de deputados que discutem esquerda e direita na Assembleia da República!

 

Pedro Salvador

21/01/2004